quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Satisfaction

“E eu sou lá Mick Jagger para viver dando Satisfaction”


Daniele Van-Lume Simões      28 de dezembro de 2017

Reveillon

“Em vez de usar branco para atrair sorte em 2018, use o cérebro.”


Daniele Van-Lume Simões        28 de dezembro de 2017

O Ministério da Criatividade adverte:

Caros leitores,

Encerro a etapa de crônicas no blog Café com Pimenta é Refresco para iniciar uma nova, inspirada na urgência do momento atual que vivemos, seja político, econômico, profissional ou pessoal: Frases.
Não vou transformar o blog em twitter, até porque se quisesse, abria uma conta lá. Vou postar ideias, pensamentos, reflexões, frases, piadas, o que vier à mente, sem necessariamente desenvolver um texto. Assim, quero que você participe comigo e quero incentivar sua própria reflexão e conclusões. Quero liberdade. Para você e para mim.
Cada história é única. Escreva a sua.


Daniele Van-Lume Simões    28 de dezembro de 2017

terça-feira, 14 de novembro de 2017

O limão e as caretas


Quando eu era criança e estava gripada ou com falta de vitamina C, era comum minha mãe colocar numa colher o sumo puro de um limão com um pouco de mel para eu tomar. Era tiro e queda, aliviava a dor de garganta na hora. Mas mesmo com o mel, o negócio era terrivelmente azedo, principalmente para o paladar infantil dos anos 80, que tudo era chiclé ploc, balinha xaxá e 7belo. Este último chegava a travar a mandíbula de tão doce.
Lembro que certa vez, como criança curiosa que fui, peguei um pedaço de limão de frente para o espelho e chupei só para ver a minha reação. A careta que fiz era muito engraçada. Me divertia com a espontaneidade das caretas, mesmo que para isso tivesse que sofrer um pouco. Não importava, o que era legal era ver como eu ficava ridícula com cada careta que eu fazia.
Hoje, as caretas não são tão visíveis. Hoje, as caretas são internas. Quantas pessoas sisudas vemos por aí, com cara de quem chupou limão azedo. Pessoas rancorosas que carregam uma careta interior que ninguém merece. São pessoas que reclamam de tudo: do tempo, da temperatura, de acordar cedo, de acordar tarde, da comida, do sono, da falta de sono, do feriado, da segunda-feira, de cólicas, da vida. São pessoas que vivem buscando azedar o dia dos outros, com um comentário maldoso, uma praga jogada, um resmungo inaudível. São pessoas que vivem de mimimi e por isso são extremamente cansativas. Se vitimizam. Bléééé pra elas.
Pessoas com careta interior são aquelas que esquecem de colocar um pouco de mel na sua colherada diária de limão. Ou de colocar um espelho na sua frente para que, na falta de mel, pelo menos tenha-se humor. 
É inevitável: todo dia teremos nossa dose de limão puro, ácido, que trava a garganta. A vida adulta é assim, cheia de limoeiros. Mas a escolha de azedar seus dias e dos outros ou de rir-se das caretas é sua.


Daniele Van-Lume Simões    14 de novembro de 2017

terça-feira, 31 de outubro de 2017

O abacaxi da Lava Jato

Você, cidadão de bem, pode ser preso, graças à Lava Jato. E o troféu abacaxi vai para...

https://ocafezinho.com/2017/10/30/trf4-manda-solta-gerente-da-petrobras-que-moro-prendeu-porque-nao-havia-provas/ 

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

A água e a vida


Hoje, numa conversa com meu marido, estávamos falando sobre pensamentos positivos e como isso influencia na nossa vida e soltei a frase: “Não podemos nos afogar em pensamentos ruins”. Caiu a ficha. Afogar pode ser usada em sentido literal.
Sem água não existiria vida aqui na Terra. Somos 70% de água e esse conselho dado por várias pessoas que conhecemos não é à toa, mas talvez elas não tenham entendido a verdadeira razão dele. Há um estudo científico de Masaru Emoto que afirma que os cristais de água se acumulam, assumindo formas bonitas ou feias, a depender da vibração sonora que o atinge. O som emite uma onda que vibra as moléculas de água e fazem elas se agruparem das mais variadas formas.
As orações transformam os cristais de água em verdadeiros vitrais, assim como as composições de Bach. Já a voz de Hitler faz com que os cristais de agrupem desordenadamente, de forma sombria. Palavras repetidas diversas vezes como amor, gratidão e esperança deixam os cristais parecidos com flores. Ameaças de morte e a palavra ódio deixam os cristais amorfos, pontiagudos, deformados, assim como os sentimentos ruins deformam nossa esperança, nossa fé, nosso coração.
O som é uma onda, bem como o pensamento. Ondas, essas últimas, que podem ser medidas em exames: a chamada atividade cerebral. E por ser uma onda, o pensamento mau é tão devastador quanto uma fala agressiva. Alimentar pensamentos ruins só faz a gente se afogar em nossa própria mágoa, em nossa própria água. Não os alimente.
Cultive pensamentos de paz, pensamentos de esperança, de coisas positivas e principalmente de gratidão. Agradeça pela sua vida a todo instante. Agradeça às oportunidades e a todo o aprendizado que você teve na sua vida, seja bom ou ruim. Ore muito, todos os dias, a todo instante. O cristal da oração é o mais bonito que existe. Transforme sentimentos e pensamentos maus em fé, em solidariedade. Não é fácil, mas também não é impossível. Transforme sua água em belos cristais. Transforme-se e seja feliz.


Daniele Van-Lume Simões                         30 de outubro de 2017

domingo, 24 de setembro de 2017

A paz


Tem uma música famosa que fala "A paz invadiu o meu coração...". É linda, mas utópica. A paz deveria invadir as atitudes. Essas sim, merecem um pouco mais de paz. O mundo anda cheio de ódio e rancor, mesmo com cada vez mais pessoas adeptas a ioga. Contraditório, não? Não. Você pode ser um mestre iogue que se você não praticar sua paz interior com atitudes, nada adiantará ficar de cabeça pra baixo por duas horas.
Quando ficamos mais velhos, mudamos os valores. Passamos a ser mais racionais e isso não é de todo ruim. Quando somos jovens queremos muito dinheiro para torrar no que quisermos, mas quando mais velhos queremos apenas um pouco de paz, "um lugar de mato verde para plantar e para colher" e relações sinceras, mesmo que contemos numa única mão a quantidade de pessoas que fazem parte da nossa vida significativamente. E este último, meu caro, não há dinheiro no mundo que compre. A paz está nas relações saudáveis e na simplicidade que você encara a vida.
Quando jovens, achamos que "o tempo não pára". Quanta inocência. Pára sim. Mas só se quisermos parar com ele. Pare para ver o pôr do sol, para para sentir a chuva molhar seus pés, pare para ouvir o canto de um pássaro. A vida continua acontecendo, segundo por segundo, mas como Einstein provou que o tempo é relativo, ele parece parar junto com a gente e se transformar numa pequena eternidade quando paramos para senti-lo. A paz pode estar em alguns segundos. Acho que Einstein gostava de pássaros...
A verdadeira paz não é aquilo que você dá na igreja ao desconhecido do lado. É aquilo que você sente e que externaliza, seja com uma voz mansa, seja com um gesto de gentileza, seja com um auxílio a quem precisa. E se for anônimo, te digo, maior será sua paz.
A paz é algo interior sim, mas que não deve ficar por aí. Precisa ser externalizada, praticada.
A paz é aquilo que falta em casa, quando tratamos mal as pessoas que mais deveríamos tratar bem: nossos pais, nossos filhos, nossos cônjuges... Não adianta ser um poço de educação da porta para fora, se a rispidez impera com quem você dorme todas as noites.
A paz tem que ser constantemente praticada... E como é difícil.
A paz é algo que, se parássemos de idealizar com bandeiras e pombas brancas, e assumíssemos nossa responsabilidade por cultivá-la com atitudes, deixaria de ser utopia para se transformar uma realidade cotidiana. E aí sim conheceríamos o verdadeiro significado de outra palavra: a justiça.
"Hoje eu só quero que o dia termine bem...". E em paz.

             Daniele Van-Lume Simões     24 de setembro de 2017